Vale a pena ir de carro a São Paulo?

São Paulo é uma cidade imensa. Mesmo contando com metrô, linhas de trem e ônibus, você pode ter dificuldades com o deslocamento dentro da cidade, pois as distâncias são grandes (muito grandes). Aí um carro pode ajudar – ou atrapalhar. Confira algumas dicas que separamos para você aproveitar melhor sua visita à terra da garoa.

Estacionar pode ser um problema

Quando você vai de carro até São Paulo, a primeira coisa que deve ter em mente é: estacionar é caro. Pra gente, estacionar na rua em São Paulo é algo que nos deixa desconfortáveis, principalmente em regiões mais centrais, como ao redor do Mercado Municipal, da 25 de março ou pela Praça da Sé. O lugar tem uma frequentação, digamos, no mínimo complicada.

Por isso, vamos evitar a fadiga, certo? Então, sempre preparamos o bolso. Em uma das nossas visitas à capital, ficamos em um estacionamento no final da rua do Mercado Municipal, pois queríamos passear por ali cerca de umas duas horas e comer o tão famoso sanduíche de mortadela. Mas o preço era tão alto, mas tão alto, que o próprio pessoal do estacionamento disse pra gente: “Não vale a pena não! Para ficar essas duas horas aqui, o valor vai chegar nos R$ 45,00 fácil.” Whaatttt??? 30 pila a primeira hora e mais R$ 15 a hora adicional!!

Fomos para um outro estacionamento, algumas quadras dali (umas 5 quadras de distância). O preço não é exatamente barato, mas já dava pra pagar e aproveitar o sanduba pelo menos. Neste estacionamento por exemplo, o período era R$ 35, então disso não passava. Pagamos R$ 25. Mas se você considerar que vai pagar R$ 25 no estacionamento, R$ 22 no sanduba e R$ 10 no chopp, estacionar o carro passa a ser o item mais caro da brincadeira.

sanduíche de mortadela são paulo
Sanduíche de mortadela do Mercado Municipal de São Paulo

Aplicativos ajudam a economizar e a garantir o choppinho da noite

Mesmo estando de carro, verifique se vale a pena deixar ele paradinho no estacionamento do hotel e passear de Uber. Nós demos uma escapolida a noite para tomar um chopinho e comer uma pizza no Jardins. Mesmo sendo um horário mais tranquilo, com menos trânsito, os R$ 16 do Uber nos pareceram bem convidativos, e assim decidimos dar ao nosso carrinho um descanso merecido. Assim, fomos e voltamos tranquilos, e ainda pudemos beber nosso chopp sem preocupação com blitz e acidentes. Aliás, falando em acidentes, TODOS os carros paulistas têm um amassadinho no canto. As ruas são estreitas e o fluxo de veículos é grande, tornando essas pequenas encostadas algo bastante corriqueiro.

Está gostando das dicas e quer passar um fim de semana diferente em São Paulo? Então vem conferir as atrações que separamos para sair da rotina na capital paulista, clicando aqui.

Pizzaria em São Paulo
Uma boquinha, na Pizza na Mão.

O agito da capital

Passado o susto do estacionamento, tem um outro ponto em Sampa que chama a atenção do motorista: a forma como eles trocam de pista com facilidade. O trânsito por lá é uma loucura, o volume de carros, motos e ônibus é imenso e isso torna o trânsito naturalmente caótico. Mesmo em feriados, o volume de carros na rua é grande se comparado com outras cidades.

Assim, muitas vezes cruzar uma pista da esquerda para a direita é um desafio. Mas lembre-se, é São Paulo. Lá, basta você ligar a seta (é, tem que ligar) e logo os motoristas te darão a vez. Atenção Sr. Curitibano (podemos falar da nossa gentE, que conhecemos bem os costumes), eles esperam que você faça o mesmo. Ninguém fica buzinando no seu ouvido, ninguém fica disputando quem entra antes ou depois nas filas. O importante por lá é o trânsito fluir.

São Paulo

Mas além de toda essa diferença (pelo menos para o trânsito curitibano), São Paulo ainda tem algumas surpresinhas para o motorista viajante. As ruas, em sua grande maioria, têm faixas exclusivas para ônibus. Durante a semana, somente os transportes públicos podem utilizar esta faixa. Aos domingos, a faixa se torna livre.  Mas, em compensação, muitas avenidas recebem uma estrutura de cones para se tornarem uma ciclo faixa. E fique ligado! Além dos guardas de trânsito da CET, você poderá ser multado pelos vários e vários radares instalados pela cidade. Então, ligue o som, relaxe e curta a sua viagem. Nada de sair esbaforido por aí usando as faixas exclusivas.

O preço do conforto

A gasolina em São Paulo varia bastante de preço. Encontramos nos postos, dependendo do lugar da cidade, de R$ 3,79 à R$ 4,69 (preços de 2019). Então, procurar um posto mais em conta pode ajudar a economizar uma graninha para conhecer a capital paulistana.

São Paulo não é uma cidade planejada, e as ruas, em sua grande maioria não são retas, as quadras não são retangulares e isso dificulta a localização na cidade para quem é de fora. Mas usando o Waze, não tivemos absolutamente nenhum problema, mesmo quando fomos a regiões mais distantes, como Cotia, para visitar o Templo Budista e no Borboletário Olhos de Águia. Neste último, tivemos alguns poucos quilômetros sem sinal de celular, e daí o Waze não traça a rota. Mas não deu nem tempo de abrir o Here, que é um GPS off-line e o Waze já estava na ativa novamente.

Templo Budista em São Paulo
Templo Budista em São Paulo

E a pergunta que não quer calar, vale ou não vale a pena ir de carro à São Paulo?

A resposta é: depende do que você pretende. Se você conseguir uma promoção de passagens aéreas e sua ideia for aproveitar a região mais central ou então se concentrar em bairros como Vila Madalena ou Pinheiros, provavelmente não vale a pena colocar seu carango na estrada. Mas se você tem pretensão de conhecer lugares mais distantes, como nós fizemos, passa a ser mais vantajoso em termos de flexibilidade e de custos.

Faça as contas e boa viagem!

Deixe uma resposta