Ushuaia – Diário de viagem – dia 8 De Rio Gallegos a El Calafate

Chegar ao fim do mundo sempre foi o maior objetivo dessa viagem. Ushuaia seria o nosso prêmio, o nosso troféu. Mas lá no fundinho, a gente estava ansioso mesmo era pelo trekking de hoje, no Glaciar Perito Moreno. A maior geleira da América do Sul estava a alguns km da gente e a ansiedade só aumentava.

Acordamos um pouquinho mais tarde, tomamos nosso café com as tradicionais medialunas, – Sim! Comemos todos os dias – fizemos nosso checkout e partimos para El Calafate. Já na saída da cidade fomos parados pela polícia, que como tantas outras vezes, fez o típico questionário curioso: “Estavam onde? São de onde? Já passaram por onde? Vieram de carro do Brasil? Vão ficar mais quanto tempo na Argentina?”. Depois de alguns sorrisos para mostrar que somos gente boa e para tentar não morrer com uma propina em cada posto policial que paramos, – em cada saída ou entrada das cidades encontramos policiais, com metade da pista bloqueada por cones – seguimos viagem até El Calafate, por mais uns 300km.

Enquanto estamos na estrada aproveitamos para registrar os momentos em fotos ou produzindo textos para o blog. Estamos com dificuldade na postagem dos diários, algo que a gente queria muito ir compartilhando diariamente com vocês. A internet por aqui é bem caótica. Mesmo com o wifi dos hotéis, é muito raro um lugar que a gente consiga subir as imagens. Mas vamos atualizando sempre que possível. Nos stories do insta, também estamos postando o nosso dia a dia. 

Criando conteúdo para o blog

Durante a ida o tempo começou a fechar, o céu começou a ficar escuro e a chuva chegou com força. Começamos a nos perguntar se o passeio seria cancelado. “Mas e se for? Como vamos fazer? Só temos um dia aqui!” Resolvemos seguir de dedos cruzados, torcendo para a chuva não nos acompanhar. Aos poucos, o clima foi mudando novamente e o sol voltou, “para nooooosssa alegria”.

Estrada Rio Gallegos a El Calafate com chuva

Estrada Rio Gallegos a El Calafate com chuva

Estrada Rio Gallegos a El Calafate

Esse percurso foi o mais difícil da viagem. Tínhamos horário marcado pra começar o passeio e não podíamos ficar parando na estrada para admirar todas as paisagens maravilhosas que passamos. Foi desesperador ver tudo aquilo se afastar, ficando cada vez menor e menor pela janelinha do carro.

Uma dessas paisagens não tivemos como deixar passar. De longe, começamos a ver um lago de um azul tão intenso que era impossível ignorar. O Lago Argentino é magnífico, imenso e estávamos vendo apenas uma pontinha dele. Paramos para algumas fotos e ficamos ali admirando, em silêncio.

Chegando no Lago Argentino em El Calafate

lago Argentino em El Calafate

Lago Argentino El Calafate

Chegamos em El Calafate famintos, então fomos procurar um restaurante. A cidade é muito bonita, toda aconchegante. Escolhemos um restaurante que pudesse servir algo rápido, pois ainda teríamos que percorrer umas duas horas até o ponto de encontro com o grupo do passeio. Fizemos nosso trekking com a Hielo y Aventura, que é a única autorizada a realizar os passeios no parque nacional, até os glaciares. Você até pode comprar com outras agências, mas vai pagar mais caro e vai acabar indo de qualquer jeito com a Hielo.

Placa da cidade El Calafate

A estrada de El Calafate até o Parque Nacional Los Glaciares é linda demais. Fomos contornando o Lago Argentino, com água azul turquesa, que vinham direto do degelo dos glaciares, que de longe conseguimos ver, de tão imensos que eram.

Lago Argentino em El Calafate

Glaciar Perito Moreno de longe

Na entrada do parque já fomos recepcionados pelos guias, que chegam na janelinha do carro para cobrar os R$ 70,00 por pessoa, valor da entrada no parque. Como estávamos de carro, compramos o passeio sem o transfer a partir de El Calafate. Marcamos de nos encontrar com o grupo da Hielo no ponto de partida do barquinho, que fica bem em frente a geleira.

Parque Nacional Los Glaciares

Quando chegamos, um dos guias começou a gritar “Andrea, Andre, Andrea!” lá de longe, mas até a gente perceber e entender que ele estava querendo que a gente apressasse o passo, demorou um pouquinho. Pouquinho para nós, talvez, que estávamos chegando, mas para o pessoal que já estava dentro do barco APENAS esperando a nossa chegada, deve ter sido um pouco mais demorado. Quando percebemos, saímos correndo. Chegamos no barco e já não tinha mais lugar para sentar, claro. Para o barco zarpar, todo mundo precisar ficar dentro da cabine – nós, no caso, de pé. Mas foi ótimo, assim saímos antes de todo mundo quando liberaram a saída e pegamos o melhor lugar para as fotos.

Ponto de encontro Hielo y Aventura Perito Moreno

Se tem uma dica que posso te dar aqui é: SE AGASALHE. Por mais que você veja um sol lindo e um céu maravilhoso antes do passeio, não se engane, o vento lá no barco é cortante, sem dó nem piedade. Me arrependi amargamente de não ter colocado mais blusas e a minha luva.

Glaciar Perito Moreno

Em um certo momento – quando você já virou um picolé – o frio já não afeta e você só consegue ficar ali, imóvel e em silêncio, contemplado aquela imensidão de gelo, em tons de azul e muito branco. Foi uma das coisas mais impressionantes que já vimos. O que conhecíamos por fotos, não representou nem um pouco do que vivenciamos lá. Se você tiver a sorte de ver um dos blocos de gelo caindo, vai ficar mais extasiado ainda. A vista do barquinho é deslumbrante.

Vista do barco para Perito Moreno

Quando chegamos ao outro lado da lagoa, fomos separados em grupos de pessoas que falavam espanhol – ou no mínimo entendiam, como nós – e outro de pessoas que falavam inglês. Então o nosso guia começou a nos passar as primeiras orientações de como o passeio aconteceria e com o que devíamos nos preocupar. Seguimos para uma estrutura onde deixamos nossas mochilas e colocamos mais roupas e luvas. Andamos mais alguns metros, paramos em outra estrutura com bancos e casinhas para colocarmos os grampões, que já estão inclusos no valor do passeio e servem para garantir que você não vai escorregar no gelo. Ele tem garrinhas que fixam no gelo enquanto você caminha.

grampões para trekking na geleira

Tudo pronto, hora de seguir para a geleira. Percorremos um pedaço do caminho de terra com os grampões, para que fossemos acostumando com aquele peso extra nos pés. A medida que nos aproximávamos da geleira, novas instruções dos guias chegavam. Eles estão sempre preocupados com os visitantes e prontos para ajudar. Íamos parando em alguns pontos mais bonitos para as fotos, mas o ritmo de caminhada é bem forte e cansativo. Se você tem algum problema de mobilidade ou não tem muito preparo físico, sugiro rever o passeio. Lógico que todo o cansaço compensa quando olhamos para aquela maravilha da natureza, mas em alguns casos, eles não te deixam fazer o passeio mesmo.

Guias na geleira em Perito Moreno

Nós escolhemos o mini trekking, que é o passeio mais curto e que não se estende muito na geleira, ficamos mais nas laterais. Você pode optar pelo Big Ice, que é mais desafiador – e mais caro também – e te leva para o meio da geleira, onde sem dúvidas, consegue as melhores paisagens. O mini trekking com a Hielo custou R$ 360,00 por pessoa – sem trasfer – e compramos enquanto ainda estávamos no Brasil para garantir, já que o passeio tem um número máximo de participantes. Vale ressaltar que este passeio é bem concorrido. Mesmo comprando com quase um mês de antecedência, só conseguimos lugar no passeio do final da tarde, que começa as 16h00 – nesse dia começou as 16h10 por nossa causa, né?

Glaciar Perito Moreno

Vem ver o meu mundo no gelo!

Geleira Perito Moreno

Andamos pela geleira pouco mais de uma hora e aí chegamos na parte mais divertida do passeio: fomos recepcionados na volta com um copo de whisky com gelo pego na hora, ali na geleira mesmo – tinha também alguns bombons – e todos brindamos ao passeio incrível que fizemos. Até o João ganhou um copo. Ahhh, gente! Dezesseis anos já pode dar umas bicadinhas, vai!

Geleira Perito Moreno

Geleira Perito Moreno

Whisky no Geleira Perito Moreno

Whisky na Geleira Perito Moreno

João feliz com o primeiro whisky

Voltamos para a estrutura onde deixamos nossas mochilas, passando por uma passarela que vai contornando a geleira. Aqui, depois que fomos conferir as fotos, vimos que não passamos em uma em que o pessoal garante as melhores fotos de Perito Moreno, de frente. Até agora não sabemos onde ficava essa passarela. Acho que estávamos tão embasbacados com a beleza do lugar, que a passarela não chamou atenção.

Passarela em Perito Moreno

Depois do passeio, os guias deixam a gente mais livre para fotos, um lanchinho – não incluso no passeio, então leve o seu, ok?  ou uma passadinha no banheiro. Ficamos uns 30 minutinhos ali, livres, até que o barquinho chegou para nos levar de volta ao outro lado do parque. A travessia levou uns 20 minutinhos.

estrutura em Perito Moreno

Barco para travessia em Perito Moreno

Aproveitamos a volta para ir parando ao longo da estrada do parque, admirando a lagoa e garantindo fotos de todos os ângulos.

Arco-íris no lago Argentino

A estrada que vem logo depois do parque também é linda, toda verdinha e repleta de montanhas e áreas com grandes vales. Impossível passar por aqui e não imaginar como era quando os dinossauros caminhavam nessas terras. A Patagônia toda exala essa Era Mesozoica, é impressionante como faz a tua imaginação viajar.

Estrada El Calafate

Passeio feito, é hora de ir até o hotel fazer nosso checkin e descansar, amanhã iremos conhecer El Chaltén, a capital nacional do trekking. Ficamos no Hotel Tehuel Plaza, bem em frente ao Lago Argentino, que acabamos não dando muita bola – afinal tínhamos acabado de conhecer um tantão de coisa linda – e vários dias depois descobrimos que é um ponto famoso para observação de flamingos. Humpf!

Hotel Tehuel em El Calafate

Boa noite, viajantes!

 

Obs: Valores em real, com o câmbio do dia 29/12/2018.
Mais ou menos 10/1.

 

Leia o Diário de Viagem – DIA 7 – De Ushuaia a Rio Gallegos

Leia o Diário de Viagem – DIA 9 – De El Calafate a El Chalten e Los Antíguos

 

Share: