Ushuaia – Diário de viagem – dia 7 – De Ushuaia a Rio Gallegos

Acordamos no fim do mundo, descansados e prontos para conhecer a Laguna Esmeralda em um trekking de quase 10 km. Nos arrumamos e fomos garantir a energia que precisávamos para a caminhada, com pães fresquinhos e medialunas com doce de leite. A hosteria Mi Vida é de um capricho ímpar. Chegamos no salão do café e a nossa mesa já estava posta, esperando nós três. Fomos muito bem recebidos por todos e não nos incomodamos com nada desde que descobrimos o erro na reserva. Se você perdeu, clica aqui e vem conferir como o universo pode trabalhar a nosso favor.

mediaslunas em ushuaia

Arrumamos nossas malas, carregamos o carro e saímos para conhecer o centrinho de Ushuaia, que por sinal é uma graça. Cidade limpa, charmosa, toda preparada para receber os turistas, sem aquela chatice de cidade turística demais, sabe? Por onde você olha tem turista de mochila nas costas e máquina fotográfica no pescoço, mas nunca fica atopetado de gente em um mesmo lugar. Tudo flui naturalmente, como se o dia a dia ali sempre fosse assim. E é.

centro de Ushuaia

Caminhamos a beira do Canal Beagle, admiramos os navios de cruzeiro ancorados em frente as montanhas com picos nevados, tiramos foto na famosa placa do fim do mundo e fomos até o centro de informações turísticas para garantir o nosso carimbo no passaporte. 

letreiro Ushuaia

navio no ushuaia

navios no ushuaia

Se você, diferente de nós, tiver mais tempo em Ushuaia, aproveite para rechear o seu passaporte em outros pontos da cidade. A variedade de carimbos é grande e ir em busca deles é muito bacana, assim você vai conhecendo cada cantinho da cidade. Depois do passeio, aproveitamos para abastecer em Ushuaia, que a gasolina estava R$ 3,02 o litro, assim poderíamos seguir viagem direto depois da Laguna.

centro de informações ushuaia

Hora do trekking. Tudo pronto? Jaquetas? Check. Botas de trekking? Check. Toucas? Check. Mochila com água e lanche? Check. Protetor solar? Check. Tudo pronto! A Laguna Esmeralda fica há mais ou menos 15 km do centro de Ushuaia e tem duas entradas com fácil acesso às trilhas. Na primeira você encontra um estacionamento e não paga nada por isso, nem para entrar na trilha. Um pouco mais à frente, tem a entrada Vale de los Lobos, que tem uma estrutura melhor e uma taxa de acesso. Como já estávamos preparados, paramos no primeiro estacionamento e começamos a trilha.

estacionamento laguna esmeralda

A primeira impressão quando entramos na trilha é de que vai ser fácil pra caramba. Uma floresta e alguns obstáculos como galhos e lama, mas ainda assim, fácil. A medida que vamos caminhando, a paisagem vai mudando e a dificuldade também. Nada impossível de se fazer, aliás, cruzamos com muitos idosos e crianças pelo caminho. Dentro da mata tem muitas plaquinhas indicando a direção da Laguna e fica bem tranquilo de se orientar por elas.

trilha laguna esmeralda ushuaia

sinalizacao trilha laguna esmeralda ushuaia

Alguns minutos de caminhada e chegamos em um campo aberto onde demos de cara com uma montanha alta, linda e toda nevada. Passamos por algumas pontes e passarelas de madeira, usamos galhos e pedaços de troncos como apoio para não afundar os pés na lama – mas óbvio que afundamos – e tomamos água geladinha do rio que escorre lá da Laguna.

trilha laguna esmeralda ushuaia

trilha laguna esmeralda ushuaia

Entramos novamente em um pedaço com mata, mas dessa vez com uma subida que tirou nosso fôlego – e nem foi pela paisagem. Além do caminho ser mais íngreme, tem muita pedra que temos que subir e descer para poder continuar, e esse sobe e desce cansa ainda mais.

trilha laguna esmeralda ushuaia

Depois de mais um trecho longo de caminhada pelo campo aberto, começamos a escutar o barulho mais alto da água e sentimos a temperatura cair. Subimos mais um pouco e lá estava ela, linda e de um azul turquesa inexplicável, com um pico todo nevado de fundo. É surreal. Aqui toda a caminhada fez sentido, todo o esforço foi recompensado. Ficamos um tempo admirando essa beleza toda e a temperatura foi caindo ainda mais. Já fazia 6 graus, a chuva começou a cair e o vento começou a aumentar. Estava na hora de fazer o trajeto da volta. Tínhamos mais 4,8 km pela frente e não queríamos caminhar tudo isso na chuva.

trilha laguna esmeralda ushuaia

laguna esmeralda ushuaia

trilha laguna esmeralda ushuaia

Aceleramos o passo e a chuva foi ficando pra trás, o vento foi diminuindo e aproveitamos para tirar mais algumas fotos. Nisso, lembramos do nosso drone. Ahhhhhh o drone! Ficou onde? No carro. Desde que saímos de Curitiba não conseguimos voar nosso drone nenhuma vez, pois os ventos na estrada levariam ele pra bem longe. É impossível conseguir algumas imagens por aqui com um drone leve como o nosso. Já está na nossa lista de desejos um drone melhor e mais encorpado. Nos parques nacionais, que temos uma área maior para resgatar o drone caso ele caia com os ventos, não podemos filmar, pois em todos eles é proibido. O que vamos combinar, é muito esquisito, né? Quer lugar melhor para garantir imagens lindas com o drone? Um campo aberto, sem fios de energia e sem prédios. Se você sabe o motivo, compartilha com a gente!

legging colorida geleira

No finalzinho da trilha, já chegando no estacionamento, a chuva veio com força total. Corremos para o carro e chegamos a tempo de não ficarmos ensopados. Conseguimos. Foram quase 10 km de caminhada para a conhecer a Esmeralda, uma lagoa que fez a gente sair da nossa zona de conforto e conquistar mais um pedacinho da viagem. O trekking durou quase 4 horas, foi incrível e o melhor: de graça.

laguna esmeralda

familia no ushuaia

Cansados, com a pernas exaustas e morrendo de fome, voltamos para o centro de Ushuaia para almoçar. Paramos no tal do Junior B. Lugarzinho ajeitado mas com a comida bem mais ou menos. Não indicamos. Além de ser caro, o atendimento não era dos melhores e o espaço para crianças estava atopetado, com anjinhos de todos os cantos do mundo, gritando em várias línguas diferentes, batendo e brigando pelos brinquedos. E eu amo crianças, viu? Estava realmente insuportável. De pancinha cheia, pegamos a estrada rumo a Rio Gallegos mais uma vez. Ela serviu de base para chegarmos ao Ushuaia e em seguida começar nosso trajeto de volta ao Brasil.

Pouco mais de 100 km percorridos, chegamos em Tolhuin, onde fomos parados pela polícia que mandou aquela bronca no Andre, para que ele diminuísse a velocidade quando fizessem sinal. Típica bronca só porque somos brasileiros, estávamos a 20km/h. Mas, perto do que a gente tava esperando da polícia argentina, o que é uma bronquinha, não é mesmo?

Mais 100 km percorridos e a paisagem começou a mudar completamente. Do gelo passamos para uma paisagem verde, com vales imensos e montanhas de areia, paredões de pedra e altas temperaturas. Para chegarmos a Rio Gallegos temos que fazer todo o processo nas aduanas argentina e chilena novamente. Se você ainda não sabe por que e como funciona, clica aqui e vem ler nosso diário de quando passamos por lá indo para o Ushuaia. Tivemos que pegar a balsa que atravessa o Canal de Magalhães também, mas dessa vez não tivemos tanta sorte como na ida.

aduana chilena argentina

Chegamos perto da 1h00 da madrugada (ela funciona até as 3h00 no verão) para embarcar e tivemos que esperar mais de uma hora pela balsa. A primeira que chegou foi carregada de caminhões, a maioria deles de combustível. Os caras que trabalham na balsa vem até os caminhões e começam a selecionar quem entra e quem vai ficar esperando a próxima. Pelo que vimos, vão escolhendo pelo peso e tipo de carga. Ficamos para a próxima. A travessia leva em média 20 minutos, tivemos que esperar ela ir carregada e voltar quase vazia para embarcarmos.

Já era muito tarde e estávamos extremamente cansados e com fome. Assim que chegamos em Rio Gallegos paramos em um posto e compramos alguns sanduíches para a janta, que foi no quarto do hotel, com os olhos fechando e as pernas esticadas.

Que dia! Cansados, mas realizados.
Amanhã tem mais trekking no Glaciar Perito Moreno. Esperamos você nos stories, onde estamos compartilhando nosso dia a dia. Boa noite!

 

Obs: Valores em real, com o câmbio do dia 28/12/2018.
Mais ou menos 10/1.

Leia o Diário de Viagem – DIA 6 – De Rio Gallegos ao Ushuaia

Leia o Diário de Viagem – DIA 8 De Rio Gallegos a El Calafate

Share: