Ushuaia – Diário de viagem – dia 13 – De Mendoza a Córdoba

Ao longo desses 13 dias de viagem colecionamos histórias, aumentamos consideravelmente nosso álbum de fotos, ganhamos uns quilinhos com as delícias que saboreamos e também acumulamos muito sono. Porém, não nos arrependemos da loucura dos quase 10.000 km rodados até aqui, mas confessamos que a noite muito bem dormida aqui em Mendoza foi essencial para seguirmos viagem. O cantinho que ficamos era uma delícia, silencioso e muito aconchegante.

Nosso apartamento em Córdoba

Mendoza é uma cidade grande, mas calma, tem o seu próprio ritmo. É repleta de ruas muito arborizadas e sem aquela loucura do trânsito que pegamos em outras grandes cidades.

Como acordamos mais tarde e o café da manhã não estava incluso no apartamento que ficamos, fomos direto para o centro conhecer a cidade e encontrar algo para almoçar.

estrada em córdoba

Ruas arborizadas em Córdoba

Praça arborizada em Córdoba

Depois de algumas voltas, paramos o carro na rua mesmo. Logo em seguida, veio um rapaz para vender o que aqui em Curitiba chamamos de “Estar”. É o ticket para controle de estacionamento rotativo, que você deve comprar e deixar no vidro do carro, para não levar multa, sabe? Compramos para o período de meia hora e custou R$ 1,00. Algumas diferenças deste para o de Curitiba: você pode deixar dentro ou fora do carro, não importa, ninguém vai mexer. Aqui quem vende o ticket é autorizado pela prefeitura, em Curitiba são os guardadores de carro que vendem, muitas vezes reaproveitando o que o cliente anterior usou por poucos minutos.

Sistema de estacionamento em Córdoba

Sistema de estacionamento em Córdoba

Descobrimos que Mendoza não é apenas uma das principais produtoras de vinhos no mundo, como também um excelente destino gastronômico. Entre tantas ruas charmosas da cidade, decidimos conhecer a Chile, onde encontramos a Bröd Bakery. Que lugar incrível! Além da deliciosa vitrine, com pães artesanais, doces dos mais variados tipos e um cheirinho irresistível, a Bröd tem um pátio com mesinhas ao ar livre, em meio a folhagens e canto dos passarinhos.

Brod Bakery Córdoba

Delícias da Brod Bakery Córdoba

Jardim Brod Bakery Córdoba

Cada um escolheu um prato. Eu fui de bruschetta de parma e rúcula, a mais incrível que já provei – e olhe que até agora a de San Gimignano, na Itália, morava de pantufinhas no meu coração. O Andre foi de sanduíche de ojo de bife e o João escolheu o brunch completo, com salada, omeletes com bacon e media luna.

Bruschetta de parma e rúcula do Brod

Brunch no Brod

Ahhh como estávamos com saudade dos preços argentinos! Para nós, que acabamos de voltar do Chile, com seus preços exorbitantes, a Argentina sem dúvida se tornou o nosso lugar favorito! No Chile, se fizéssemos uma refeição com essa qualidade e variedade, já teríamos deixado pelo um rim por lá. Por aqui, gastamos R$ 92,00 para 3 pessoas. Viva los hermanos!

Barriguinha cheia, hora de voltar para a estrada. Em La Paz, há 100 km de Mendoza, paramos no primeiro pedágio e pagamos R$ 5,50. A qualidade das estradas na Argentina justifica qualquer preço de pedágio que já pagamos por aqui. Todos os trajetos pedagiados estavam em excelentes condições. Em vários deles, encontramos inclusive áreas de suporte ao motorista, com latões de lixo e telefones de emergência. Pode parecer pouca coisa, mas quando estamos viajando de carro acumulamos muito lixo, já que a maioria das refeições são feitas na estrada, enquanto dirigimos até o próximo destino.

pedágio em la paz córdoba

estradas argentina mendoza

Chegando em San Luiz, primeiro fomos parados pela polícia que estava na estrada. Como de costume, várias perguntas, pedem o documento, mais perguntas, se encantam com a nossa viagem e mandam seguir. É incrível como a maioria dos policiais por aqui ficam curiosos com a nossa viagem. Vimos isso como uma vantagem, já que não tivemos muitos problemas com a corrupção dos policiais argentinos. Na maioria das vezes, conseguimos até conquistar um sorriso meio que de canto de boca.

policiais argentinos na estrada

Logos depois do bate papo com os policiais, passamos por um pedágio um pouco diferente do que estamos acostumados. Aqui, além da cobrança padrão, que foi de R$ 5,00, tivemos que pagar mais R$ 5,00 da taxa de controle fitossanitário, que aconteceu na cabine seguinte. No tal controle, os policiais pediram para que abríssemos o porta-malas para conferir se estávamos transportando frutas, legumes ou verduras que pudessem colaborar para a infestação da mosca da fruta. Logo depois, passamos com o carro por um esguicho de veneno, para garantir que se alguma mosca safada estivesse de carona, morresse ali mesmo.

controle fitossanitário san luiz

Nesse trajeto, voltamos a percorrer as infinitas retas sem fim das estradas argentinas. As de San Luis são muito bem cuidadas e cheia de detalhes. A cada 1 km mais ou menos, os postes de luz mudam de cor. Vimos roxos, amarelos, vermelhos, laranjas, azuis e verdes. A cidade é toda colorida. Postes, viadutos, pedágios e até as árvores. Passamos – mas muito rápido e não conseguimos parar para foto – por uma árvore imensa, que já estava seca, e eles pintaram todinha de rosa. Uma graça!

postes coloridos ao longo da estrada

postes coloridos ao longo da estrada

viaduto colorido

No portal de saída da cidade de San Luis, passamos por mais polícia e também pelo controle de tráfego rodoviário, mas dessa vez não fomos parados e nem identificados. Passamos quase que invisíveis. Digo isso, por que o “Sistema de monitoreo de patentes” deles, que existe para facilitar o trabalho da polícia provincial, não identifica a placa do nosso carro, que é do Brasil.

controle de tráfego

Para esticar um pouco as pernas e tentar mais uma vez fazer o nosso drone voar, paramos no acostamento da estrada. Treze dias se passaram, várias tentativas aconteceram e não conseguimos nenhuma imagem com o drone. Compramos um modelo simples, muito pequeno e leve, já que não somos nenhum profissional nesse quesito. Definitivamente não somos e temos muito a aprender. Esquecemos totalmente dos fortes ventos que fazem pela patagônia. Todas as vezes que tentávamos colocar o drone para voar, ele voava. Na ho-ri-zon-tal.

O vento era tanto, mas tanto, que não conseguíamos nem estabilizar o bichinho. Subia alguns centímetros e disparava na horizontal. Fomos buscar ele longe um bocado de vezes. Em uma das tentativas, ele ficou preso na árvore. Ficamos ali, na beira da estrada, jogando alguns galhos pra cima, para salvar o drone. Para as próximas viagens já estamos planejando a compra de um drone melhor. Prometemos imagens incríveis em breve. 🙂

pôr do sol em córdoba

drone preso nas árvores em mendoza

pôr do sol em mendoza

Ficamos mais alguns minutos ali, admirando o pôr do sol, que estava perfeito para algumas fotos e então seguimos viagem. Em La Cumbre passamos por mais um pedágio que pagamos mais R$ 5,00, assim como nos anteriores. Já em Sampacho, alguns km à frente, pagamos R$ 6,00. Antes de chegar a Córdoba, passamos também pelos pedágios de Arroyo Tégua, que pagamos R$ 4,50 e pelo pedágio de Piedras Moras, com o mesmo valor.

pedágio em córdoba

pedágio em córdoba

pedágio chegando em córdoba

Assim que chegamos em Córdoba nos apaixonamos, pois já passava da meia noite e a cidade estava viva, cheia de gente na rua, as lojas e restaurantes abertos, como se ainda fosse meio dia. Paramos em frente ao prédio do apartamento que alugamos pelo Airbnb e entramos em contato com o anfitrião, que em menos de 5 minutos estava ali para nos receber. Escolhemos um apartamento bem central para aproveitarmos a manhã por aqui.

ap airbnb em córdoba

sala ap airbnb em córdoba

sala ap airbnb em córdoba

sala ap airbnb em córdoba

Depois de nos instalarmos no ap, saímos para caminhar um pouco pela cidade e escolher algo para jantar. Impossível de não se encantar com os detalhes da cidade, a calçada era um charme à parte.

calçada charmosa em córdoba

Decidimos parar no Betos Lomos para conhecer o tal lomito. Pensa em um sanduíche gostoso. Agora multiplica pelo quanto você gosta de um bife à milanesa. É isso! Um sanduíche em pão fofinho, com salada, ovo frito e um bife à milanesa dentro, servido com muita batata frita. Acho que as fotos podem falar por mim. O Betos fica na José Manuel Estrada, 174, em Nueva Córdoba. Vale a visita.

Betos Lomo Córdoba

Voltamos felizes e loucos para descansar, amanhã vamos em busca dos flamingos! Boa noite, viajantes!

Obs: Valores em real, com o câmbio do dia 05/01/2019.
Mais ou menos 10/1.

Leia o Diário de Viagem – DIA 12 – De Santiago a Mendoza

Leia o Diário de Viagem – DIA 14 – De Córdoba a Santa Fé

Share: